Extranjera/Foreigner – Parte II

Primeira parte de Extranjera/Foreigner

Eu então tinha 16 anos. Como a maioria das garotas que comigo estudava, tinha o cabelo bastante comprido, mais precisamente tocando o meio da cintura. Loiro, farto, liso, brilhante. Regularmente, aparava as pontas e também a franja, que na época usava reta, tal como o restante do cabelo. E minha relação com ele sempre foi de extremo amor e carinho e até hoje temo as tesouras… Isto, principalmente, devido à mamãe… Ela não achava adequado que eu me apresentasse com um cabelo tão comprido; acreditava que aquela era uma imagem pouco confiável, uma aparência de menina inocente, fútil e desprovida de conteúdo; achava que eu parecia mais uma pretensa rainha da beleza que uma estudante dedicada e competente.

_ Tem de cortar o cabelo, Cristina! – gritava-me, tão ríspida como boas professoras de boas maneiras deviam ser.

_ Eu não preciso fazer isso! Eu não quero fazer isso! – gritava eu, com as lágrimas brotando nos olhos a mais simples menção do ato. – O comprimento do meu cabelo não prova o quão boa ou ruim em ou para algo sou, mamãe!

_ Eles não pensarão assim.

Pragmática, mamãe praticamente arrastou-me à tortura. Em uma tarde de sexta-feira, quando eu cheguei do internato para passar o final de semana em casa, lá estava mamãe, junto a sua cabeleireira. Eu a conhecia, ela aparava meu cabelo, cortava minha franja havia quase oito anos. Nunca a temi, mas naquele dia foi diferente. Eu tinha absoluta certeza de que ela faria o que mamãe pedisse, sem ressalvas ou direito à apelações.

Minutos depois lá estava eu, os olhos inundados, o rosto úmido e rosado, voltado para baixo. Dois terços do meu cabelo cobriam o chão ao meu redor. Em mim, os fios que antes estendiam-se retos até a cintura, precisamente alcançavam meus ombros.

A volta ao colégio foi, a princípio, infernal. Eu dividia o quarto com as gêmeas Fernández; Victoria era minha melhor amiga, mas Rosa era meu inegável desafeto. Esta não desperdiçou a belíssima oportunidade de me provocar. A outra, foi mais solidária do que eu poderia esperar ou querer, mesmo sendo ela minha melhor amiga: cortou o cabelo como o meu. Nenhuma de nós gostava daquele estranho comprimento, mas ao menos tive com quem dividir meu pesar e minha ânsia por cabelos mais longos.

E lá fui eu, poucas semanas depois do triste momento, para minhas entrevistas. Para Yale, mamãe fez-me vestir um tailleur preto com blusa branca. A saia era reta, bem ajustada, mas cobria até meus joelhos, o que na época incomodava-me um pouco. A falta de cor fez-me sentir mal comigo mesma, com meus princípios. Em Princeton, apresentei-me contrariando mamãe, em vez de mais uma blusa branca, pus uma vestido lilás, reto, à altura dos joelhos, sob o blazer cinza claro. Posso dizer que a Sra. María Carmen ficou bastante furiosa, mas não tanto quanto diante minha escolha para Harvard. Para a minha mais importante entrevista, optei por um vestido branco à altura dos joelhos de saia plissada sob um blazer rosa claro bem ajustado.  Apesar do comprimento do cabelo que não me agradava, senti-me realmente bonita naquele dia. Estava certa de que mesmo uma garota doce e aparentemente frágil poderia conseguir uma vaga no curso de Economia. Mamãe não tinha dúvidas de que eu pusera tudo a perder.

Alguns meses depois, a confirmação. Para a total surpresa de mamãe, eu tinha sido aceita nas três. Fui assunto de colunas sociais, o colégio teve seu prestígio aumentado. Pela primeira vez o Instituto Santa Elena tinha uma de suas tão tradicionais alunas aceita em Harvard. E mamãe, que a principio relutara diante minha escolha, comemorou junto às amigas.

**continuará**

Extranjera/Foreigner é o primeiro capítulo de Second Best, spin-off de uma das séries que escrevo, e será parte por parte publicado aqui no blog ao longo das próximas semanas.

Anúncios

8 comentários sobre “Extranjera/Foreigner – Parte II

    • Thaís Gualberto disse:

      Assim, eu sou uma ótima amiga para minhas amigas, mas isso é uma coisa que elas nem sonham em esperar de mim HAHAHAHAHAHA

      A Amanda citou Gilmore Girls, mas eu só assisti as primeiras temporadas, então, I have no idea of this part hahaha

      Beijos!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s